Martin Whitmarsh e Tim Goss, da McLaren, foram convocados para projetar tanques de guerra para o infante britânico, tendo como responsabilidade acelerar a locomoção do exército

Com a missão de aumentar a velocidade de deslocamento do infante britânico, que está em serviço nas zonas de conflito dominadas pelo Talibã, no Afeganistão, e por guerrilhas no norte do Iraque, o chefe de equipe da McLaren, Martin Whitmarsh e o diretor dos engenheiros, Tim Goss, foram convocados para criar um projeto que possa auxiliar o exército inglês. Em entrevista ao jornal espanhol ‘Marca’, Goss afirmou que está satisfeito com a convocação e prometeu, até o ano que vem, mostrar o novo protótipo chamado ‘Foxhoude’.

Whitmarsh promete preparar 300 unidades de um veículo de guerra chamado 'Foxhoude' em apenas seis meses

Da guerra das pistas para a vida real. Essa é a frase que mais se relaciona com os engenheiros da McLaren, que acabam de ser recrutados no exercito britânico com a missão de mudar totalmente os veículos de guerra que estão operando no Afeganistão e Iraque.

Apesar do projeto arrojado em que tenta dinamizar o avanço militar nas zonas de conflito, o diretor de engenharia do time prateado, em entrevista ao jornal espanhol ‘Marca’, falou dos seus planos para projetar o veículo de força.

“Ele deve ser ágil e versátil. Além de tudo ser mais leve que os atuais veículos de guerra do exército britânico. O custo do projeto será de 1,2 milhões de Euros, mas iremos preparar o projeto em apenas seis meses”, afirmou Goss.

Já Whitmarsh afirmou que o novo infante será uma tremendo desafio para a equipe prateada. Segundo o dirigente, o novo veículo vai atingir uma velocidade de 113 Km/h. Martin ainda citou que o Ministério da Defesa da Inglaterra já pediu cerca de 300 unidades para ficar a disposição das Forças Armadas Britânicas.

“Construiremos 300 unidades, inicialmente. Eles estarão a disposição do exército de nossa rainha, mas acredito que deverão ser usados no Afeganistão ou Iraque. Estamos fazendo um projeto ambicioso, onde contaremos com suporte para metralhadoras, dois pilotos e também espaço para cerca de cinco à sete pessoas”, concluiu.